Clínica de Psicología em Lisboa

ITAD » Equipa multidisciplinar enquanto promotora do desenvolvimento do aluno

Equipa multidisciplinar enquanto promotora do desenvolvimento do aluno

Equipa multidisciplinar enquanto promotora do desenvolvimento do aluno

Correia (2008) afirma que a resposta adequada à promoção do desenvolvimento global do aluno com dificuldades passa pelo apoio de uma equipa multidisciplinar, com multiplicidade de formações e funções, onde cada elemento tem a sua responsabilidade assumida e sabe da importância dos restantes intervenientes neste processo.

Refere ainda que a equipa não tem de ser sempre composta pelos mesmos elementos, pois a constituição da mesma baseia-se nas necessidades que o aluno com NEE apresenta.

No entanto, assume que existem especialidades pertinentes na intervenção deste tipo de alunos, nomeadamente os serviços educacionais, psicológicos, terapêuticos (fisioterapia, terapia ocupacional, terapia da fala), sociais e clínicos (figura adaptada de Correia, 2008).

A família deverá ser o primeiro elemento estruturante da criança, muito antes desta se tornar “aluno”. Enquanto pilar do desenvolvimento infantil, principalmente no que diz respeito às primeiras etapas da linguagem, pretende-se que estas sejam adquiridas preferencialmente em ambiente familiar (Río & Bosch, 2002), sendo o grupo de socialização de referência, com a qual a criança constrói a sua marca linguística (Sim-Sim, 1998).

A família trata-se de um elemento fundamental da criança, e cuja presença no processo avaliativo e interventivo deve ser sempre considerada. Os elementos referência da criança, habitualmente os pais e por consequência, encarregados de educação, devem ser informados e informar sobre qualquer alteração da criança.

Em contexto escolar, em particular nas necessidade educativas especiais, durante vários anos, os pais foram vistos como um instrumento, ou seja, como podiam colaborar para os programas definidos pelos profissionais que acompanhavam a criança.

Atualmente, já se tem uma visão mais abrangente de todo o contexto, sabendo qual o significado para a família de ter uma criança com dificuldades e como é que a família se coordena e relaciona no processo educativo da criança (Paniagua, 2004).

A relação da família com os profissionais que acompanham o aluno sejam eles, de serviço social, de saúde ou escolar é fundamental, no sentido em que o contacto entre todos constitui uma fonte de apoio.

Paniagua (2004) indica que as vantagens de uma boa cooperação entre todos os intervenientes da equipa multidisciplinar envolvem a promoção do bem-estar e do desenvolvimento da criança e a continuidade do trabalho realizado entre a escola e a família.

Esta conexão entre o contexto escolar e o familiar é facilitadora do aumento do resultado das intervenções e fornece um ambiente de segurança à criança, que tem os seus contextos de referência em comunicação. Deste modo, é possível concluir que o contexto familiar e os seus elementos são facilitadores do desenvolvimento, e perante isto, é necessário estabelecer uma boa relação com os mesmos, para que lhes possam ser transmitidas informações e estratégias.

Apesar da importância da relação entre a criança/família com a escola e da criança/família com os serviços de saúde, é de ressalvar aqui a relevância da interação e coordenação do trabalho entre os terapeutas e os docentes, pois é um potenciador do desenvolvimento de aprendizagens e competência curriculares, mas também sociais, sendo por isso de extrema importância ser um elemento influente de uma equipa multidisciplinar, com capacidades de assinalar os desvios do desenvolvimento global infantil. Os docentes de educação especial, em particular, podem ser excelentes parceiros de trabalho, no sentido em que a intervenção educativa dos mesmos deverá incidir em práticas de interação comunicativas variadas, no desenvolvimento das capacidades e domínios específicos da linguagem, na promoção da expansão do conteúdo linguístico e na “utilização de técnicas específicas que promovam aprendizagens e desenvolvam os seus potenciais” (Ministério da Educação, 2010, p. 11).

Excerto da dissertação de mestrado, intitulada de “O Terapeuta da Fala em Contexto Escolar”, de Telma Filipa Torres Lopes, mestre em Educação Especial – Domínio Cognitivo e Motor, pela Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve.

Obrigado pelo vosso interesse e espero ver-vos em breve na nossa clínica em Lisboa.

Dr. Telma Lopes – Terapeuta da Fala em Lisboa
Clínica de psicologia ITAD
Psicólogo, Terapeuta da Fala e Terapeuta Ocupacional
Psicóloga na Clínica do Itad em Lisboa
Clínica de Psicologia ITAD
Rua Professor Fernando da Fonseca N8A. 1600-618 Lisboa – Portugal
211 371 412 – 961 429 911