Clínica de Psicología em Lisboa

ITAD » Terapia Ocupacional na Infância

Terapia Ocupacional na Infância

O principal objetivo da Terapia Ocupacional na infância passa por habilitar os mesmos para a realização das suas ocupações diárias (Atividades de Vida Diária, Atividades de Vida Diária Instrumentais, Educação, Lazer e Participação Social).

Terapia Ocupacional na Infância

A Terapia Ocupacional avalia as competências sensoriomotoras e de praxis (processamento sensorial, planeamento motor, equilíbrio, coordenação, motricidade global e fina), cognitivas (atenção, concentração, memória, sequenciação, organização) e de regulação emocional, sociais e de comunicação (tolerância à frustração, resolução de problemas, interação social) bem como os fatores ambientais que influenciam o seu desempenho nas atividades; identifica as áreas de disfunção e envolve a pessoa num programa estruturado de atividades significativas, de forma a ultrapassar as dificuldades proporcionadas pela sua condição de saúde.

Terapia Ocupacional na Infância

O principal objetivo da Terapia Ocupacional junto de crianças e jovens passa por habilitar os mesmos para a realização das suas ocupações diárias (Atividades de Vida Diária, Atividades de Vida Diária Instrumentais, Educação, Lazer e Participação Social).

Resumidamente, o Terapeuta Ocupacional trabalha com a criança para que ela possa ter o melhor desempenho possível em todas as ocupações do seu dia-a-dia, o que inclui a capacidade para brincar, comer, tratar da higiene, vestuário, atividades escolares, interação com os pares e adultos em vários contextos.

O Papel do Terapeuta Ocupacional

O Terapeuta Ocupacional avalia as atividades que a criança não consegue ou tem dificuldades em realizar (ex. escola – escrever, brincar com os colegas, correr, saltar; autocuidados – vestir/despir, abotoar, atar os sapatos, comer sozinha, etc.).

Simultaneamente analisa quais as estruturas e/ou funções que estão a limitar o desempenho da criança (ex. dificuldades na coordenação motora, motricidade fina, atenção, processamento sensorial,…).

Realizada a avaliação procede à construção de um plano de intervenção adequado e personalizado que assentará no desenvolvimento das competências em défice através de jogos/atividades terapêuticas e no treino do desempenho das várias atividades quotidianas em que existem dificuldades de execução.

Simultaneamente, a abordagem do Terapeuta Ocupacional poderá incluir mudanças no ambiente ou materiais/equipamentos que facilitem a realização das atividades (ex.: talheres com cabo engrossado, adaptações para o material de escrita, colocação dos objetos na linha média, luminosidade, nível de ruído, etc.) e aconselhamento de estratégias aos pais e professores.

Assim sendo, de um modo geral, o papel do Terapeuta Ocupacional consiste em:

• Avaliar a criança de forma holística e os seus contextos ambientais;
• Determinar as limitações que interferem na independência;
• Definir objetivos terapêuticos, tendo em conta os objetivos, interesses e valores da própria criança e família;
• Proporcionar o treino de atividades funcionais, com o intuito de aumentar a autonomia;
• Dar estratégias aos pais e professores;
• Estudar e aconselhar produtos de apoio;
• Reavaliar constantemente.

A Terapia Ocupacional e o Desempenho Escolar

Por vezes, as crianças vivenciam dificuldades que as impedem de apresentar um desempenho escolar adequado à sua idade, como dificuldades na escrita (pegar o lápis, realizar força a mais ou a menos, etc.), participar ativa e espontaneamente nas atividades propostas, estar atento nas aulas, estar corretamente sentado na cadeira, entre outras.

Nestes casos, a intervenção do Terapeuta Ocupacional passa por assegurar que a criança possa participar nas diversas atividades escolares, desde prestar atenção nas aulas, concentrar-se na tarefa que está a realizar, segurar um lápis, instrumento musical ou livro da forma mais fácil, através da estimulação das competências de desempenho ocupacional em défice.

O Terapeuta Ocupacional pode ainda trabalhar em conjunto com o professor da criança, sugerindo alterações na disposição da sala, adaptação de materiais e equipamentos, alertando para posturas incorretas, entre outros aspetos, de modo a facilitar a aprendizagem e a promover comportamentos adequados.

Como saber se o meu filho precisa de Terapia Ocupacional?

Existem diversos indicadores comportamentais que sugerem que a criança beneficiaria da intervenção de um Terapeuta Ocupacional.
Seguem-se alguns exemplos:

• Parece desajeitado ou descoordenado nos seus movimentos;
• Tem dificuldade em ter novas ideias para brincar ou em saber como brincar com os brinquedos;
• Apresenta dificuldade em realizar movimentos de forma fluída e ritmada;
• Tem dificuldade em tarefas como atirar uma bola, correr, saltar, trepar;
• Cai mais frequentemente que as outras crianças e/ou tem tendência a tropeçar e a bater nas coisas;
• Tem dificuldade em montar puzzles ou fazer construção de blocos;
• Parece ter problemas em focar os olhos em objetos em movimento;
• Não consegue manter-se sentado direito na cadeira;
• Está sempre desatento, não se mantém sentado, procura todo o tipo de objetos;
• Confunde esquerda/direita ou as noções cima/baixo;
• Vira/roda todo o corpo para conseguir alcançar um objeto;
• Tem dificuldades em pegar no lápis;
• Faz muita ou pouca pressão do lápis no papel;
• Tem uma escrita desorganizada, ilegível, dificuldade no espaçamento das letras, em respeitar as margens e contornos;
• Tem dificuldade em cortar por cima das linhas ou colar imagens no local correto;
• Parece extremamente sensível ao som, toque ou movimento;
• Tem dificuldades em manipular os talheres, utilizar o garfo e faca em simultâneo e/ou levar os alimentos do prato à boca sem se sujar a si próprio e superfície envolvente;
• Não consegue vestir-se sozinho, abotoar botões das camisas, abrir camisolas com fechos e/ou fazer o laço nos sapatos.

Se verifica que o seu filho apresenta alguma destas dificuldades, saiba que o Terapeuta Ocupacional é o profissional adequado para ajudá-lo, indicando estratégias e/ou produtos de apoio e facilitando comportamentos adequados.

Obrigado pelo vosso interesse e espero ver-vos em breve na nossa clínica em Lisboa.

Dr. Sérgio Filipe Pereira – Psicólogo em Lisboa
Clínica de psicologia ITAD
Psicólogo, Terapeuta da Fala e Terapeuta Ocupacional
Psicóloga na Clínica do Itad em Lisboa
Clínica de Psicologia ITAD
Rua Professor Fernando da Fonseca N8A. 1600-618 Lisboa – Portugal
211 371 412 – 961 429 911